Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, abril 22, 2009

Bolsas dos EUA 'sentem' divulgação de balanços, e Dow Jones cai 1%

As bolsas de Nova York fecharam em trajetórias divergentes em pregão de volatilidade e dados e notícias conflitantes. Com alguns balanços bons e outros ruins, os índices oscilaram entre os territórios positivo e negativo algumas vezes no dia.

No fim dos negócios, o índice Dow Jones, referência para o mercado de Nova York, teve baixa de 1,04%, para 7.886 pontos. O indicador Standard & Poor's 500 cedeu 0,77%, para 843 pontos. Na contramão, o índice eletrônico Nasdaq sustentou alta de 0,14%, para 1.646 pontos.

A instabilidade dos papéis do setor bancário respondeu pela derrubada dos principais indicadores na reta final do pregão. Os investidores e analistas focam agora no resultado do teste de estresse feito pelo governo americano com dados de 19 grandes bancos do país, para traçar a resistência das instituições em um cenário de crise mais aguda e longa.

Antes disso, o aumento de 0,7% nos preços dos imóveis no mês de fevereiro nos EUA resultou em forte otimismo para os investidores. Por se tratar do segundo mês consecutivo de valorização, o mercado vê o dado como um sinal de estabilização da crise do setor imobiliário daquele país, que afinal deu origem à grave crise vigente.
Balanços

Os sinais no mundo privado também foram contraditórios: enquanto o Wells Fargo mostrou lucro 52% maior, de US$ 3,05 bilhões para os três primeiros meses do ano, o Morgan Stanley reportou prejuízo de US$ 177 milhões para o trimestre, resultado pior que o estimado. As ações do primeiro caíram 3,35% (US$ 18,18) e as do Morgan declinaram 8,97% (US$ 22,44).

Os agentes também receberam os números da fabricante de aviões Boeing, que viu o lucro cair 50% no lucro do trimestre. Ainda assim, as ações da empresa fecharam com ganho de 1,77% (US$ 37,30). Já o McDonald's lucrou US$ 979,5 milhões no primeiro trimestre, alta de 3,5% ante o mesmo período de 2008. Os papéis da rede de lanchonetes fecharam em baixa de 2,48% (US$ 54,25).

Voltaram ao noticiário também hoje sinalizações do possível pedido de recuperação judicial da General Motors. Segundo notícia do "Wall Street Journal", a montadora deve dar calote em uma dívida de US$ 1 bilhão que vencerá no dia 1º de junho. As ações da empresa perderam 0,59% (US$ 1,69).

Já as ações do Yahoo subiram 0,70% (US$ 14,48) após a empresa informar que pretende dispensar cerca de 700 funcionários. O lucro da empresa caiu 78%, para US$ 118 milhões no primeiro trimestre deste ano. Os papéis da eBay ganharam 3,43% (US$ 14,78).

Dados macroeconômicos

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) teve um pregão de alta nesta quarta-feira (22), após ficar fechada na véspera devido ao feriado de Tiradentes. Os negócios acompanharam a tendência positiva dos mercados externos e o principal índice da bolsa nacional, o Ibovespa, encerrou com valorização de 1,02%, aos 44.888 pontos
Em meio aos balanços, os agentes já tinham levado em conta ao longo do dia os comentários do secretário americano do Tesouro, Timothy Geithner, que reforçou em discurso no Clube Econômico de Washington que, embora os Estados Unidos tenham parcela substancial de responsabilidade pela crise internacional, o país depende da recuperação global da economia para "para ser próspera de novo".

Em contrapartida, saiu hoje previsão pior do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o desempenho econômico mundial. Agora, o Fundo espera que o mundo sofra uma retração de 1,3% neste ano e não mais o crescimento de 0,5% previsto anteriormente, em janeiro.

Nenhum comentário: